Vaso sanitário de John Lennon é leiloado

Um vaso sanitário que pertenceu ao ex Beatle John Lennon foi leiloado, por 9.500 libras (mais de 25 mil reais), cerca de 10 vezes o valor estimado inicialmente, durante um leilão de objetos ligados aos Beatles em Liverpool, no Reino Unido, realizado no final de agosto.

O vaso em porcelana branca, decorado com frisos e motivos florais azuis, foi usado pelo compositor dos Beatles por 3 anos, quando vivia em sua casa de Tittenhurst Park no condado de Berkshire (sudeste da Inglaterra), entre 1969 e 1972.

Sobre esta peça leiloada, sabe-se ainda que o músico a ofereceu a um pedreiro, após a instalação de um novo banheiro, sugerindo que fizesse dela um vaso para plantas. Hancok, o pedreiro, guardou o vaso na sua garagem durante 40 anos, até à sua morte, recentemente. A decisão de vendê-la foi tomada pelo filho.

A peça, avaliada em 1.000 libras no máximo no catálogo, foi adquirida por um colecionador estrangeiro durante a 33ª convenção dos Beatles de Liverpool.

O leilão também incluiu outros objectos ligados a John Lennon, designadamente, a capa dos disco “Two virgins”, onde aparecem o músico e Yoko Ono totalmente nus.

Uma cópia deste disco, gravado em mono em parceria com Yoko Ono, foi vendido por 2.500 libras (cerca de três mil euros euros).

O álbum foi lançado em 1968 e chamou à atenção por ter sido vendido dentro de um saco de papel castanho para cobrir a polémica capa.

Entretanto, no leilão, também foi vendida uma gaita-de-beiços do filho de Lennon, Julian, e que, curiosamente, também foi oferecida a Hancock.

Supostamente, Lennon ficava louco com o filho a tocar a gaita-de-beiços em casa o tempo todo.»

- Por aqui passaram algumas obras de John Lennon -

Abadia de Thelema de Aleister Crowley é vendida

Uma construção rural italiana em ruínas foi vendida por 1.500.000 euros, porque um dia pertenceu a um hedonista britânico, escritor e ocultista que foi apelidado de “o pior homem do mundo”.

As ruínas caiadas de uma vila italiana, situada entre as montanhas da Sicília, foi adquirida em 1920 por Aleister Crowley, uma figura muito peculiar, que fez cultuado pelos Beatles, David Bowie, Led Zeppelin, Ozzie Osbourne, Raul Seixas e Iron Maiden.

Crowley se mudou para a casa da Abadia de Thelema e a transformou em uma espécie de comuna, onde a vida diária girava em torno de yoga, a adoração do Sol e do estudo de seus próprios escritos e filosofia mística. Seu gosto libertino ofendeu os fascistas de Mussolini, que o expulsaram com suas amantes do país em abril de 1923.

A casa, perto da cidade de Cefalu, na Sicília, contém afrescos eróticos de homens e mulheres entrelaçadas, pintados por Crowley, educado em Cambridge, no início dos anos 20. Os afrescos, inspirados na obra de Gauguin, também incluem demônios nus, sátiros e serpentes.

Os agentes imobiliários que venderam a propriedade, abandonada por anos e coberta de arbustos e capim alto, sugeriram que deveria ser transformada em um museu dedicado a extraordinária vida de Crowley.

Os moradores locais acreditam que a vila, onde foram organizadas orgias e experiências de amor livre que antecederam o movimento hippie por décadas, é amaldiçoada e se recusam a chegar perto dela.

Crowley, um ocultista que se autodenominou “A Grande Besta”, criou uma filosofia religiosa conhecida como Thelema e é conhecido por suas obras místicas, incluindo o Livro da Lei, no qual expôs as principais doutrinas de Thelema.

Ele também foi um exímio jogador de xadrez e montanhista, que participou da primeira tentativa britânica de escalar o K2, no Himalaia, em 1902. Viajou extensamente pela Europa, Ásia e Américas, e se acredita que trabalhou como espião para a inteligência britânica. Morreu em uma pensão de Sussex, em 1947, com 72 anos de idade.

Na foto, o sexólogo Alfred Kinsey e o cineasta Kenneth Anger examinam murais de Crowley na Abadia de Thelema

Fonte: Telegraph

Falsa notícia sobre filme de Raul Seixas com Fiuk

Na internet todo mundo gosta de comentar qualquer notícia como se fosse uma verdade absoluta. Mais um bom exemplo destas confusões pegou alguns fãs desatentos de Raul Seixas.

O nome do cantor Raul Seixas foi parar em primeiro lugar na lista dos assuntos mais comentados do Twitter entre usuários brasileiros na manhã desta quarta-feira, pela revolta de vários fãs com uma notícia de que o ídolo seria interpretado pelo ator e cantor Fiuk em um filme em fase de pré-produção. O que grande parte dos internautas não percebeu é que a história é falsa, criada pelo site Diário de Barrelas, que se autodescreve como “um jornal de mentira, uma obra de ficção”.

A matéria foi publicada ontem, e diz que Fiuk teria sido escolhido para interpretar Raul Seixas após uma disputa com Di Ferrero, vocalista da banda NXZero, e Chorão, do Charlie Brown Jr. O suposto filme, que contaria a história do roqueiro baiano, teria o título provisório de “Raul: A Metamorfose Ambulante” e seria lançado em 2011, como parte da comemoração dos 60 anos do astro. Nascido em 1945, se estivesse vivo, Raul Seixas teria completado 60 anos em 2005.

No Twitter, alguns usuários tentavam alertar os demais para o fato de tratar-se de uma história inventada. Enquanto isso, centenas de pessoas escreviam mensagens revoltadas. “Nós os fãs nem ao menos somos consultados”, reclamava um internauta. “Fiuk fará Raul Seixas em filme. O que vem pela frente? Justin Bieber fazendo john Lennon? 2012 realmente ta chegando”, dizia outro post.

A repercussão foi tão grande que até veículos de notícias reais acabaram caindo na pegadinha. Sites como “O Tempo”, de Contagem (MG), e “Jornale”, de Curitiba (PR), replicaram a matéria do “Diário de Barrelas” como se fosse verdadeira. A página do Jornale acabou sendo retirada do ar posteriormente.

Fonte: Portal Exame